18 de fevereiro – Dia Internacional da Síndrome de Asperger

Desde 2007, o dia 18 de fevereiro foi escolhido para ser realizada a campanha mundial de informação sobre a Síndrome de Asperger. A data foi escolhida por ser o aniversário de Hans Asperger, pediatra austríaco que identificou a síndrome.

A Síndrome de Asperger é um transtorno neurobiológico enquadrado dentro da categoria de transtornos globais do desenvolvimento. Ela foi considerada, por muitos anos, uma condição distinta, porém muito próxima e bastante relacionada ao Transtorno do Espectro do Autismo. Atualmente, a Síndrome de Asperger é conhecida como uma forma mais branda de autismo.

Pacientes diagnosticados com Asperger, geralmente têm dificuldade de interação com outras pessoas. Esse comportamento faz com que tenham dificuldades em fazer amigos e iniciar e manter uma conversa, na qual não costumam manter contato visual.

Uma criança com Síndrome de Asperger pode desenvolver rituais, como por exemplo, se vestir em uma ordem específica e também, arrumar brinquedos ou outros objetos sempre da mesma maneira. Algumas crianças com Síndrome de Asperger desenvolvem interesse intenso e quase obsessivo em algumas áreas, como esportes e também, montagem de alguns brinquedos mais complexos, como os quebra-cabeças e jogos que exigem muita dedicação e paciência. Os movimentos físicos muitas vezes são desajeitados, mas isso em nada inibe ou atrapalha sua inteligência e impede o desenvolvimento para habilidades intelectuais como música e matemática. 

A causa exata da Síndrome de Asperger, assim como do Transtorno do Espectro do Autismo, ainda não é conhecida. Os cientistas, por outro lado, acreditam que uma anormalidade no cérebro das crianças diagnosticas seja a causa mais provável. Ao contrário do que algumas pessoas costumam pensar, a Síndrome de Asperger não é causada pela privação emocional ou por uma forma específica que os pais educam seus filhos. Também é uma mentira que vacinas causem Asperger ou Transtorno do Espectro do Autismo.

Diagnóstico

De acordo com a versão de estudos mais recentes, autismo e Asperger se englobam em Transtorno do Espectro Autista, e por isso, há dois grupos de sintomas necessários para que o médico psiquiatra, em conjunto com o médico pediatra, chegue a um diagnóstico.

– Déficits de comunicação/interação social:  déficit na reciprocidade das interações sociais, déficits nos comportamentos não-verbais, dificuldade de desenvolver e manter conversas, diálogos e relacionamentos.

– Presença de um padrão repetitivo e restritivo de atividades, interesses e comportamentos: estereotipias (ecolalia, por exemplo), insistência em uma atividade específica, adesão estrita a rotinas, interesses restritos e incomuns, hiper-reatividade ou hipo-reatividade a estímulos sensoriais.

Fonte: Dra. Evelyn Vinocur, psiquiatra e mestre em neuropsiquiatria pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e psicoterapeuta cognitivo comportamental, especializada em Saúde Mental da Infância e Adolescência pela Santa Casa de Misericórdia do Estado do Rio de Janeiro (SCMRJ) e pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Membro associado da Associação Brasileira de Psiquiatria (CRM-RJ: 303514)

DSM-V, American Psychiatric Association – Manual de Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais 5ªed. Edit. Artes Médicas