SIMESC apoia iniciativa do Ministério da Saúde em abolir termo pejorativo da comunicação oficial

O Sindicato dos Médicos do Estado de Santa Catarina (SIMESC) apoia a iniciativa do Ministério da Saúde que, em documento divulgado em maio de 2019, confirma que não usará mais a expressão “violência obstétrica” em seus conteúdos educativos e oficiais.

A decisão acompanha o Parecer 32/2018, do Conselho Federal de Medicina que também considera que “a expressão ‘violência obstétrica’ é uma agressão contra a Medicina e à especialidade de ginecologia e obstetrícia, contrariando conhecimentos científicos consagrados, reduzindo a segurança e a eficiência de uma boa prática assistencial e ética”.

Para o SIMESC, o termo ofende a categoria médica e incentiva movimentos de assistência obstétrica alternativos que colocam em risco a autonomia da mulher em optar pelo médico e pelo local do atendimento em saúde e parto.

Mais do que abolir um termo, o Ministério da Saúde deve empenhar-se à divulgação de conteúdos de educação em saúde e estruturar adequadamente as redes públicas e privadas para que a mulher seja atendida de maneira adequada e para que os médicos trabalhem com dignidade e com foco na medicina baseada em evidências, com atenção à legalidade, humanização e segurança de sua atuação profissional.

A Diretoria